terça-feira, 1 de março de 2011

A inocente nudez da alma


Me sinto nu, sem qualquer tipo de vestes, nada sobre o meu corpo;
Sem vergonhas, pudores, timidez, medo ou inseguranças…
Como se fosse possível ser compreendido em minha plenitude;
Sem as amarras que se fizeram tão presentes, me preservando, me protegendo…

De certa forma até descansado e relaxado;
Sinto finalmente o sangue das feridas a esfriar, e as cicatrizes fechando.
Sinto meu corpo num estado de êxtase, e cada vez menos eu consigo entende-lo…
Sentimentos desconexos em um turbilhão de emoções, que tanto espero, que tanto se aproximam…

A vida escolhe mecânicas indescritíveis em relação a capacidade do ser humano de encarar e sentir as emoções.
Com uma imprevisível cronologia e hilária exatidão podemos por instantes sentir tanto dentro de nós, tão diferentes sentimentos em tão loucas escalas, alguns que fazem chorar e emocionam profundamente, outros que excitam apenas pela possibilidade…
Outros sentimentos nem tão nobres mas que nos afirmam na condição humana em busca da evolução individual.

Me considerei sempre tão complicado e agora me vejo de maneira tão simples, e transparente.
Sou o que você toca, aquilo que você vê, o que questionas e o que compreende.
Um incandescente desejo por ser e crescer, de vencer e conquistar, mas com uma calma, carinho e sorriso que me é comum.
Com vários defeitos que me são pertinentes eu vou lutando para ser uma pessoa melhor a cada dia;
Sendo cada vez mais eu, mas sem deixar de conhecer e experimentar, pois tenho uma sede interminável pelo conhecer, pelo aprender… embora o novo algumas vezes me pareça bem intimidante.

Te revelo minha face sem medo, pois nada temo em relação a você;
O que se espera de mim ou de nós, já não me inquieta tanto…
Cada momento que passa eu busco me preocupar mais com este dia, cujo o amanhecer já posso ver chegar, e deste momento eu quero que aconteça como tem que ser, espontâneo, simples e só nosso.

A intensidade dos meus sentimentos são de difícil quantificação e já não me importo mais com isso.
Essa nudez já parece ser mais confortável até mesmo aos meus olhos, olhos que só querem te ver e admirar cada vez mais.

Eu adoro você, desde que permitiu que entrasse na sua vida, no seu coração

Eu amo você, desde que me dou por seu amigo, pois sempre te amei e cuidei como se fosse o que tenho de mais precioso…

E tenho certeza que bem sabes disso.



Contribuição do leitor Gregus

Muita Paz,
Celina

8 comentários:

Chica disse...

Lindo texto,Celina!

E como estás? Espero que tudo bem! Te cuida! beijos,tudo de bom,chica

Ótimo MARÇO pra ti!

ONG ALERTA disse...

A alma recebe o que cada um de nós pode dar...
Beijo Lisette.

Contos e Encantos num Canto do Mundo... disse...

Paz para ti também, Celina! Lindo texto... Um beijo em seu coração, Lu...Ü...

Cacá - José Cláudio disse...

Isso é o que eu chamo de nobreza de alma em todos os sentidos. Muito lindo, Celina! Meu abraço. paz e bem.

E aí, está melhorando a cada dia? É o que lhe desejo.

Anne Lieri disse...

Celina,muito lindo esse texto!Comovente e amigo!Espero que esteja melhor e que já possa pular o carnaval!...rsss...bjs,

Vozes de Minha Alma disse...

Celina, quero agradecer teus gentis comentários no meu blog.
Quero dizer que estou reeditando o poema Partitura da Rosa e junto, teu comentário.
Seja sempre essa menina iluminada que a todos nós agracia com lindos textos.
Um abraço afetuoso do teu leitor.
Bjs em teu coração.

Toninhobira disse...

A bela nudez jamais castigada.Lindo demais amiga Celina.Em Minas numa viagem rapida para aniversario de minha mãe(93 anos),e estava sem internet,só resolvido hoje, mas lenta.Desejo que esteja cada dia mais proxima da pronta recuperação.Meu carinho e admiração.Um terno abraço de paz e beijo de luz neste lindo coração.

Maria disse...

Amiga excelente post como sempre.
Tenha um maravilhoso fim de semana, pleno de alegria, paz e harmonia.
Beijinhos
Maria