sexta-feira, 23 de abril de 2010

Livre arbítrio

Gosto muito de ler biografias, um dia caiu em minhas mãos um livro muito interessante, cujo título era "Os santos que abalaram o mundo".
Eram cinco biografias, uma delas falava sobre Santa Teresa de Ávila, uma de suas biografias mais completas, agradável de ler e com passagens interessantes. Eram espíritos iluminados, o livro era católico, portanto eram considerados santos.
Fala de sua infância, juventude, ressaltando a sua beleza que despertava a paixão de muitos jovens da sua época. Até chegar a sua entrada para o convento, mais tarde criaria uma ordem com mais disciplina e rigor.
Durante as celebrações da missa ela entrava em êxtase, que durava quase até término das missa. Escapou de ser queimada pela inquisição por heresia ao dizer que era com o Cristo que ela se encontrava e falava.
A mesma entidade que falava com ela, avisou-a que vinha alguém defendê-la da fogueira, realmente, dentro de alguns poucos dias chegara um padre capuchinho que realmente a salvou.
Esta que vou narrar é uma das passagens interessantes, sempre que tinha oportunidade eu falava sobre ela no Centro (espírita), justamente por se tratar do livre arbítrio, tão pouco valorizado por nós.
Ela sempre ia uma vez por semana com as outras irmãs deixar provisões numa aldeia muito carente. Neste dia estava chuvoso, e elas precisavam atravessar o rio que a separava da comunidade. Chegando na margem, o cocheiro avisou que o rio tinha apanhado muita água, talvez não desse passagem. Ela pediu para ele esperar um pouco, se recolheu e fez uma prece, perguntando ao Cristo se não oferecia perigo, onde ele respondeu que não. Ela encorajada deu ordem ao cocheiro para atravessar, o que ele fez mesmo temeroso, assim que começou a travessia os cavalos se assustaram e foi aquela correria, todos em pânico com a quantidade de água, o cocheiro a muito custo conseguiu segurar tudo e voltaram sãos e salvos. mas havia uma pessoa envergonhada, a santa.
Ela fez um desabafo ao Senhor "O Senhor prometeu que não teria perigo e olhe o que aconteceu, quase nos afogamos todos". Foi quando ele respondeu "Deus nos deu inteligência e é preciso utilizá-la, saber distinguir o mal do bem, pensar por nós mesmos e ver quando o perigo existe realmente, isso se chama livre arbítrio, onde ela respondeu "Senhor, como é difícil seguí-lo".
É preciso usar o nosso livre arbítrio, no caso de dúvidas, orar a Jesus para que nos ilumine, no caso de erro, saber que faz parte da vida, é a nossa condição de aprendiz, levantar e continuar sempre, nunca desistir de lutar, com certeza no final sairemos vitoriosos.
Paz para todos, Celina.

5 comentários:

Cacá disse...

Isso é muito verdadeiro, Celina. É muito comum vermos , ou melhor, ouvirmos aquela expressão "entrego nas mãos de Deus", revelando muito mais uma impotência e uma desistência diante dos desafios do que o uso da racionalidade proveniente do livre arbítrio para agir. Errar, todos errarmos. Não podemos é deixar de tentar. Muito bom o texto. Um grande abraço. Paz e bem.

Sônia Silvino disse...

É verdade, amiga!
Temos que usar a nossa inteligência! E nos responsabilizarmos por nossos atos e escolhas!
Bjkas, muuuuitas!

valentinarosin disse...

Celina, minha querida!
Grata pelo carinho da tua visita!
Bom FDS!!!
Bjssssss!

ONG ALERTA disse...

A escolha...muitas vezes difícel mas necessária...paz.

Mariana disse...

Escolher é necessário na vida, e várias vezes, e qd fazemos a escolha certa, sorte temos ,se existe o direito de retornar e recomeçar.