sexta-feira, 30 de abril de 2010

O adeus

Eu que gosto tanto de viajar para João Pessoa, desta vez fiz uma viagem as pressas, pois o meu irmão estava muito mal, quando cheguei, ele já havia falecido.
Da última vez que estive com ele foi em janeiro deste ano, e uma de suas características marcantes era sua alegria, todas as vezes que o visitávamos era só felicidades.
Ele estava lá sem vida, parecia estar dormindo, dando impressão de qualquer hora acordar e iniciar com suas brincadeiras, era mais moço do que eu, e agora somos somente duas irmãs.
Mas é a lei, ao ganharmos a vida ganhamos também a morte, como se fosse uma passagem de ida e volta.
Que a misericórdia divina o tenha,

Celina.


ADEUS

O sino plange em terna suavidade
No ambiente balsâmico da Igreja.
Entre as naves, no altar, em tudo adeja.
O perfume dos goivos da saudade.

Geme a viuvez, lamenta-se a saudade;
e a alma que regressou do exílio, beija
A luz que resplandece, que viceja.
Na catedral azul da Imensidade.

-Adeus, terra das minhas desventuras...
Adeus, amados meus... -diz nas Alturas
A alma liberta, o azul do Céu singrando

-Adeus... -choram as rosas desfolhadas.
-Adeus... -chamam as vozes desoladas
De quem ficou no exílio soluçando...

Auta de Souza
Psicografado por Francisco Xavier

7 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Olá, Celina
Lindo poema! Mensagem muito boa!
Desejo-lhe tudo de bom, minha querida, porque estou saindo, um tanto adoentada.


*Se eu pudesse não ter o ser que tenho
Seria feliz aqui...
Que grande sonho
Ser quem não sabe quem é e sorri!
Mas eu sou estranho
Se em sonho me vi
Tal qual no tamanho
O que nunca vi...
Fernando Pessoa*

Beijos e don´t cry for me, please!

dasffel acessórios by SG disse...

Saber Viver


Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura... Enquanto durar
Cora Coralina

mil bjs e sentimentos!!!

Sônia Silvino disse...

Celina, minha querida amiga!
Sinto muito pelo teu irmão. Que fiquem as lembranças boas, amiga!
Fique bem, fique com Deus!
Bjkas, muuuuitas!

Cacá disse...

Celina, junte a minha solidariedade e carinho neste momento de perda . E muita saúde e paz para você e família. Abraços. Paz e bem.

ONG ALERTA disse...

Muita luz e paz no seu coração, um grande abraço Lisette.

Marcos disse...

Celina como bem sabes, não é uma perda, e sim o vazio que a saudade nos deixa pela separação momentânea do ser amado, com a sua partida para uma nova etapa em sua vida eterna.
Com amor, mais uma pessoa que muito de adimira.

Tuinho disse...

Celina, a morte faz parte da vida todos nos sabemos, mas a saudade ela será sempre companheira dos que ficaram, temos a certeza que um dia nos reuniremos de novo, o tempo abranda toda dor e sofrimento, resta as boas lembranças dos que partiram,lembrar de tudo de bom que elas representaram pra nós!Um abraço fraterno Vera