domingo, 14 de novembro de 2010

UMA REALEZA TERRENA


Quem melhor do que eu pode entender a verdade destas palavras de Nosso Senhor: Meu reino não é deste mundo! O orgulho me perdeu na Terra. Quem, pois, entenderá a insignificância dos reinos da Terra, se eu não o entendi? O que levei comigo de minha realeza terrena? Nada, absolutamente nada.

E para tornar a lição mais terrível, a minha realeza nem sequer me seguiu até o túmulo! Rainha eu era entre os homens, rainha eu acreditava entrar no reino dos Céus.

Que desilusão! Que humilhação quando, ao invés de ser recebida como

soberana, vi acima de mim, mas bem acima, homens que acreditava

serem insignificantes, a quem havia desprezado, pois não tinham sangue nobre!

Então compreendi a inutilidade das honras e das grandezas

que se procuram com tanto desejo na Terra!

Para se preparar um lugar neste reino celeste, é preciso a abnegação,

a humildade, a caridade em toda a sua prática cristã, a benevolência para com todos.

Não se pergunta o que foste, que posição ocupaste, mas o bem que fizeste, as lágrimas que enxugaste.

Senhor, Jesus! Disseste que o teu reino não é deste mundo, pois

é preciso sofrer para alcançar o Céu, e pelos degraus do trono não

nos aproximamos dele. São os atalhos mais difíceis da vida que nos

levam para lá. Procura, então, o caminho nas dificuldades e nos espinhos

e não entre as flores.

Os homens correm atrás dos bens terrenos como se pudessem

guardá-los para sempre; mas aqui não há mais ilusões. Logo percebemos

que apenas nos apoderamos de uma sombra e que desprezamos

os únicos bens sólidos e duráveis, os únicos que nos seriam úteis na

morada celeste, e os únicos que poderiam dar acesso a essa morada.

Tem piedade dos que não ganharam o reino dos Céus. Ajuda-oscom tuas preces, pois a prece aproxima o homem do Altíssimo. É o traço de união entre o Céu e a Terra. Não o esqueças.

Uma Rainha de França - Havre, 1863

-O Evangelho Segundo O Espiritismo - Instruções Dos Espíritos Cap II,Item 8 -Uma Realeza Terrena

Paz Celina

14 comentários:

Cacá disse...

Eu nunca, jamais, vou me conformar com esse excessivo apego que o homem tem com a matéria, Celina. Todos gostamos e necessitamos de conforto e bem estar, mas acho que não precisávamos lutar tanto para garantir isso com se fosse a coisa mais importante de toda a existência. E o pior é que quanto mais eu vivo, mais me assombro com a fúria possessivia humana. Lindo este texto. E obrigado mais uma vez pela oportunidade no blog O QUE ELAS ESTÃO LENDO. Abração. paz e bem.

Contos e Encantos num Canto do Mundo... disse...

... ensinamentos que nos faz meditar... Lindo o teu cantinho, Celina! Um abraço das Gerais e paz no teu dia, Lu...Ü...

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Quem somos nós diante da humilde grandeza de quem sabe tudo?
Muito bom, Celina! E que saudades!
Um beijo e um mimo.


Quanto mais envelhecia, quanto mais insípidas me pareciam as pequenas satisfações que a vida me dava, tanto mais claramente compreendia onde eu deveria procurar a fonte das alegrias da vida. Aprendi que ser amado não é nada, enquanto amar é tudo (...).


O dinheiro não era nada, o poder não era nada. Vi tanta gente que tinha dinheiro e poder, e mesmo assim era infeliz.


A beleza não era nada. Vi homens e mulheres belos, infelizes, apesar de sua beleza.


Também a saúde não contava tanto assim. Cada um tem a saúde que sente.


Havia doentes cheios de vontade de viver e havia sadios que definhavam angustiados pelo medo de sofrer.


A felicidade é amor, só isto.
Feliz é quem sabe amar. Feliz é quem pode amar muito.
Mas amar e desejar não é a mesma coisa.
O amor é o desejo que atingiu a sabedoria.
O amor não quer possuir.
O amor quer somente amar.

Do Amor - Hermann Hesse

Tudo de bom!
Renata

Chica disse...

Muito linda e profunda essa mensagem,Celina!bem escolhida!

A ganância faz com que as pessoas virem máquinas, se transformem...

beijos,tudo de bom,chica

Anne Lieri disse...

Celina,que grande mensagem nesse lindo texto!Sabe que adoro seu blog!Bjs,

Toninhobira disse...

Muito interessante a situação da chegada ao encontro do Mestre e perceber que tudo se acumulou por aqui nao valeram nada perante a força Superior.O que se fez e nao o quanto se acumulou,esta é a mensagem que se deve buscar sempre amiga, muito bem focada neste perfeito texto.Meu terno abraço de paz e beijo de luz nos seus dias.

Flor da Vida disse...

Amiga querida, iluminada mensagem essa que compartilhou conosco! Realmente as riquezas desse mundo de nada nos servirá... Para Deus o que conta é nossa humildade e amor para com o semelhante... *Querida, obrigada minha amiga pelas doces palavras que me deixou como comentario na homenagem que escrevi para minha mãezinha! Deus a abençoe muito, viu? Carinhos... Bjsss

Marli Borges disse...

Celina,
O apego materiaL É UMA TRISTEZA, UM TORMENTO e até um carma para quem o tem. Pelo menos assim eu penso.Talvez seja mesmo um carma, não é? A-do-rei easse post. Parabéns.
Sobre as publicações das resenhas lá no "O que elas estão lendo" comigo aconteceu a mesma coisa: avisaram por email até a data da publicação. e não saiu no dia. Esperei mais e mais e então mandei email perguntando se iriam publicar ou não. Elas se desculparam e depois de mais alguns (muitos) dias, resolveram publicar.
E li outra resenha que nem lembro mais, onde a pessoa também estava agradecendo a publicação tardia. Estou te contando isso que é pra tu não ficares muito aperreada com isso.
Bjs amiga.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Estive neste blogue com prazer.
Voltarei.
Saudações/Irene

ONG ALERTA disse...

As pessoas estáo preocupadas com aparencias, beijo Lisette.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Obrigada por se ter registado no
meu blogue.Passaremos a nos
encontrar. Um beijinho/Irene

Flor da Vida disse...

Amiga, vim lhe deixar um abraço e carinhos, viu? Paz e Luz... Bjsss

Anne Lieri disse...

Celina,voltei para convidar vc para a brincadeira desafio dos 7 em meu blog.Espero que possa participar!Bjs,

Consultora em Educação disse...

AMADURECER

Quanto mais vivo,
quanto mais insípidas me parecem
as pequenas satisfações que a vida me dá,
tanto mais claramente compreendo
onde devo procurar a fonte
das alegrias da vida.
Aprendo e ensino
que ser amado
é jogo de sedução,
onde quem perde
ou ganha é campeão...
O dinheiro não é nada,
a fama, o poder...
o pão,
aquilo que se diz,
tudo isto é importante,
se for planejado
para sonhar
ser feliz,
compartilhar,
viver,
amar.
Ivone Boechat
Publicado no livro AMANHECER 3ª.Ed RJ 2004