terça-feira, 25 de março de 2014

Soneto de Separação

 

Soneto de separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

                Vinicius de Moraes

Abraços Celina

8 comentários:

✿ chica disse...

LIndo poema,Celina!! beijos,tudo de bom,chica

Anete disse...


Olá, Celina!
Um soneto bonito e reflexivo...
Muita paz, saúde e carinho.....

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Adoro este soneto. Obrigada por postá-lo, querida.
Beijos,
Renata

Evanir disse...

Muitas vezes só necessitamos de uma palavra de conforto, de ânimo,
de alguém que dedique um pouco do seu tempo para nós.
E são nessas muitas vezes que encontramos nossos amigos virtuais!
Hoje venho te abraçar pelo dia do amigo virtual.
Você é benção na minha vida.
Quero estar em sintonia contigo
por muitos anos .
Como muito carinho deixei um mimo na postagem,
simples mais de todo coração.
beijos te agradeço pela nossa amizade.
Evanir.

Luma Rosa disse...

Oi, Celina!
Excelente escolha, lindo soneto.
Bom restinho de semana!!
Beijus,

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida Celina

Uma boa escolha. Adoro este poema de Vinicius.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Toninho disse...

Um eterno soneto do Poetinha,
Uma bela escolha Celina.
Desejo que esteja em paz aí.
Carinhoso abraço.
Bom fim de semana.

Anne Lieri disse...

Esse soneto é um dos mais lindos do nosso país! Adorei ler! bjs,