sábado, 10 de setembro de 2011

Meu primeiro amor.Será que amar é isso?


Musica Em Algum Lugar do Passado

Hoje vou falar do meu primeiro amor, sempre namorei homens mais velhos, o meu marido era dez anos mais velho do que eu!
Vocês já ouviram falar em paixão por uma fotografia? O meu amor começou assim!
Além de namorar homens mais velhos, as minhas amizades também eram com pessoas mais velhas, jovens só as minhas colegas do colégio, mas eu não tinha amizade por elas, terminava as aulas, cada qual ia para suas casas e pronto!
Eu tinha a época duas amigas idosa, ambas amigas também de minha mãe com elas me sentiam a vontade. Tinha também uma tia confidente, a qual eu falava dos meus sonhos de adolescente.
Vamos chamar a primeira amiga de D. Maria, ela tinha uma pequena mercearia, fiquei conhecendo-a quando um dia acompanhei minha mãe nas compras de casa, conversei  muito com ela e nos tornamos amigas.
Ela me fez um convite de quando eu não estivesse estudando, fosse conversar um pouco com ela, assim eu fiz. Conversávamos enquanto ela costurava, ela me falava da sua vida, de quando saiu de João Pessoa depois que ficou viúva, ela era de família de negociantes e políticos. Eu ficava horas escutando ela falar, e também escutávamos musica, às vezes saia ate um cafezinho. Nasceu uma grande amizade entre nós!
Um dia eu cheguei a sua casa, ela estava colocando um pouco de ordem em um dos moveis, foi quando eu vi uma fotografia, perguntei logo quem era ela prontamente me respondeu que era seu outro filho que servia na marinha, disse ainda que ele pediu para sair e estava voltando para casa.
Eu nunca tinha visto uma criatura tão bonita em toda a minha vida!
 Eu era amiga do seu outro filho, que também era comerciante, e a noite após fechar o comercio saia para noivar e deixava minha amiga na maior solidão. Eu passei a ficar todas as noites com ela, e quando tinha oportunidade eu pegava aquela fotografia e ficava com ela nas minhas mãos, tomava cuidado para não ser surpreendida  e descobrirem  minha paixão.
À noite eu sonhava com ele, realizando meus sonhos de amor com aquela criatura, máscula, linda!
Bem, vamos falar agora da minha outra amiga, chamava-se  Nanú, era também viúva, e tinha um filho adolescente  que estudava comigo no colégio, íamos juntos para a escola. O sonho de minha amiga era que surgisse um romance entre nós, só tínhamos amizade, era como irmãos.
Nanú era uma pessoa muito culta! Com ela aprendi muito, assisti aos melhores espetáculos de teatro, bons filmes, e fomos a muitas festinhas da vizinhança juntas. Ela sabia tudo sobre todos, só não sabia do meu amor pelo filho de minha outra amiga que eram vizinhas.
Sempre que tinha um tempinho ia conversar com  Dona Nanú, foi graças a ela que levantei minha baixa estima, pois era considerada o “patinho feio” da família, eu era muito magrela com cabelos escorridos e curtos com uma franja “horrorosa”,  que minha mãe gostava e eu tinha que obedecer.
Cresci muito tímida, antes não tinha namorado ninguém. Quando completei quinze anos, ganhei corpo, deixei o cabelo crescer e usava uma fita de veludo como tiara e os deixava soltos. Começaram as primeiras paqueras, e eu não tinha coragem, foi D. Nanú que começou a dizer que eu era uma mocinha muito graciosa, e eu pensava opinião de amiga não vale.
Costumávamos passear no seu pequeno quintal, cheio de arvores frutíferas, e em uma certa manhã ao colhermos alguns frutos ela disse assim “Sabe quem chegou? O filho da velha” , era dessa forma que ela se referia a minha outra amiga, talvez por causa dos seus cabelos brancos. Neste instante eu senti uma emoção tão forte, que fiquei calada sem articular nenhuma palavra, ela prontamente me puxou pelo braço e disse vamos espiar pela cerca. Ele estava lá outro lado da rua, na calçada, ia sair. Eu não sei descrever o que senti, pensei que ia desmaiar!
Ele era mais lindo que a fotografia! A minha cabeça estava a mil imaginando um meio de ser vista por ele, acabou o meu medo estava apaixonada!
Sensação mais dolorida, que faz sentir as mãos geladas, um vácuo no estomago, acompanhada de uma grande sensação de posse! Se eu pudesse eu o prendia para que ninguém o olhasse! O ciúme tomou conta de mim, acabou minha alegria, minha mãe ficou  preocupada.
Será que amar é isso? Não, deve ser uma paixão muito louca!
Contei a minha tia, ela falou assim “vamos colocar um caixote perto do murro,  subir e ver quando ele vai passar”. Assim fizemos, sabíamos tudo, a hora que ele saia para trabalhar, quando voltava para almoçar e retornava para casa, e quando estava na escola a minha tia ficava observando.
Um dia ele nos viu e nos cumprimentou, que vergonha! E a noite ele estava na esquina, foi quando minha tia me chamou para ir ao portão. Eu me arrumei toda, coloquei a tal fita de veludo nos cabelos, perfumei toda com “Agua de Colônia Regina”, este era o perfume que usava, e fui com minha tia para o portão de casa, ele estava na esquina e veio chegando, lindo, lindo! Mas perto foi chegando e pude sentir seu delicioso perfume, eu emudeci! Ele perguntava e minha tia era que respondia! 
Até hoje eu não sei o que ele perguntou tanto, estava paralisada..............

Continua!

Paz Celina




10 comentários:

✿ chica disse...

Celina, que legal isso.E é bem assim, deu pra imaginar tu paradona, sem nada falar, só olhando pra ele,rsrs
Legal! Vou ver a continuação!

Antônio Lídio Gomes disse...

Oi Celina.
Venho deixar um abraço.
E tem mais histórias pra contar não é?
O amor é isso. Felicidade!
Um abraço do amigo e leitor e obrigado pela tua visita sempre honrosa.
Beijos.

Toninhobira disse...

Que bom que voce voltou amiga!Que historia mais interessante,um amor nascer de uma foto e perdurar.Viver a emoção,que paralisa os nervos e acelera o coração é tudo coisa do amor e deste amor se vive e lembra para sempre.Eterniza.
Meu terno abraço de admiração.
Bju de luz nos seus dias.

Maria disse...

Amiga Celina adorei a sua história, irei continuar a ler.
Boa semana.
beijinhos
Maria

ONG ALERTA disse...

Amor nos deixa fora de si...sempre, beijo Lisette.

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
A gente passa por tantas e tantas...
Em meu caso eu é que acompanhva a tia ciumenta... rsrsrs...
Vigiando o marido... rsrsrs...
Mas o ciúme a gente só sabe quando o tem...
Bjm de paz e ótima semana.

Cacá - José Cláudio disse...

Que boa a sua volta, Celina! E ainda traz esta maravilhosa história de amor... Vamos esperar o que vai acontecer nos próximos capítulos.rsrs. Um grande abraço e uma ótima semana.

Anne Lieri disse...

Ah,que pena que parou!...rss...estava encantada com a história!Me avise quando postar a continuaçao que fiquei super curiosa!...rss...bjs,

Anne Lieri disse...

Ah,que pena que parou!...rss...estava encantada com a história!Me avise quando postar a continuaçao que fiquei super curiosa!...rss...bjs,

Graça Pereira disse...

Até estou tonta com tanto amor!! Já me vejo em cima do caixote a espreitar tambem...claro que vou voltar para ver como termina esta histópria apaixonante!
Beijocas.
Graça