quinta-feira, 24 de junho de 2010

O que foi visto nunca será esquecido

O Nordeste é cheio de histórias fantasiosas de assombrações, servindo como prato cheio para muitos dos autores regionais, nosso mestre Gilberto Freire escreveu um livro em que fala sobre diversas assombrações no Recife antigo.

A que vou contar escutei nas noites dedicadas a histórias de assombrações na casa de uma das minhas tias, no sítio em que moráva, onde a luz elétrica demorou décadas para chegar. As noites eram muito escuras, exceto em noites de lua cheia, mas mesmo assim não ficava muito claro devido as árvores e a vegetação densa, os moradores diziam que as bananeiras em noite de luar ficavam mal assombradas, devido ao reflexo das luzes nas folhas, formando imagens diversas, diziam eles.

A história é a seguinte, começava com uma casa abandonada, onde ninguém ousava morar devido a muitas estórias que se contavam a respeito dela, sobre a mesma ser mal assombrada. Uma vez chegou um moço de fora, vinha viajando há muitos dias, viu a casa e como ela estava vazia resolveu pernoitar ali, armou uma rede sem nem se importar em limpar um pouco, já que tudo ali estava abandonado havia um bom tempo, fez uma pequena refeição, bebeu alguns goles de água do cantil e deitou-se.

Não passou muito tempo e ele escutou passos, que ele julgou ser de alguém que viera reclamar da invasão da casa, logo ele viu uma pessoa se aproximar, ele então sentou na rede e ficou esperando aquela pessoa chegar, quando o jovem aproximou a vista e ia falar algo eis que de repente surge um um cão preto enorme, com olhos horríveis que chegavam a brilhar como fogo, enfiando uma das patas dentro da boca do moço, logo depois deu um gemido alto e ambos desapareceram na noite.

O hóspede foi encontrado no outro dia desmaiado, bastante atordoado contou que lhe deu mais medo foi o gemido alto de dor emitido pela entidade.

Estas e muitas outras histórias embalaram a minha juventude, mais tarde quando me tornei espírita, vim entender muito desses fenômenos fantásticos.

Paz, Celina.

13 comentários:

Chica disse...

Que histórias esas,não? Muito legal!beijos,tudo de bom,chica

Cacá disse...

Celina, na minha casa de infância havia um cômodo onde ficava o fogão a lenha e todas as noites , diante de uma panela com alguma sopa ou uma comida qualquer, os mais velhos reuniam as crianças para contar esses casos de assombração e "alma penada" como diziam. Era um medão danado que a gente tinha mas ao mesmo tempo uma viagem aos mistérios do imaginário coletivo que não deixa de ser intrigante e muito interessante. O livro do Gylberto Freire é ótimo. sua história também. Abraços. paz e bem.

Sônia Silvino disse...

Boa noite, Celina queriiiida!
Tudo bem contigo?
Espero que sim!
Vim deixar um abraço
e ler as novidades do teu blog!
Morro de medo dessas histórias, amiiiga!

ABRAÇO AMIGO!
Aproxime-se mais.
Tente sentir do que um abraço é capaz.
Quando bem apertado, ele ampara tristezas,
sustenta lágrimas, combate incertezas, põe a nostalgia de lado.
É até capaz de amenizar o medo.
Se for cheio de ternura, ele guarda segredos, e jura cumplicidade.
Um abraço amigo de verdade divide alegrias e se apraz em comemorações.
Abraços são pequenas orações de fé , de força e energia.

Olhe para o lado:
Há sempre alguém que quer ser abraçado e não tem coragem de dizer.
Enlace-o.
O pior que pode acontecer é ganhar de volta um sorriso de carinho,
ou, quem sabe, uma palavra sincera.
Você vai descobrir que ninguém está sozinho,
e que a vida pode ser um eterno céu de Primavera.

Com carinho,

beijinhos e abraços pra ti!!!

Sônia Silvino's Blogs

Vários temas & um só coração!!!

Anne Lieri disse...

Ai Celina...eu fiquei com medo!Juro que não fico sozinha num lugar desses nem morta!...rsss...Adorei sua história!Bjs,

KLENMARKETING EVENTOS disse...

Oi Celina!Essas histórias tb acompanharam minha infancia!Gostei de recordar!Um abraço do Carlos,

Sônia Silvino disse...

Celina!
Te indiquei para uma promoção. Descubra como participar no meu blog MY GIFTS!
Espero que queiras participar!
Bjkas, muitas!

Giorgia Presentes - Arte e Crochê disse...

Olá amiga!

Passa lá no meu Blog e pega o selinho para ti!

Bjknhs

Giorgia

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bom Dia, minha querida* Não estou nada bem mesmo, mas sem ti não fico. Parabéns Celina**********
Beijo enorme, minha amiga*
Venho da Lisette e a nossa história é igual (com a diferença de que eu poderia ser a sua mãe). Estou comovida demais.

*Cheguei em silêncio para não te acordar,
vim deixar seu café da manhã,
para que logo cedo vc possa
alimentar sua alma e seu coração. Sirva-se bem:
Amizade;
Carinho;
Alegria;
Serenidade;
Paz Interior;
Sabedoria;
Realizações;
E algo muito importante que iluminará sua vida:
NOSSA AMIZADE!

Tenhas sempre dias inspirados pra fazer lindos posts como este.
Gosto de ti demais.
Muito obrigada*

Mariana disse...

Eu sempre curti ler histórias, e esta não foi diferente.
Gato pode ser assustador, eu acho.

Mariana disse...

Eu sempre curti ler histórias, e esta não foi diferente.
Gato pode ser assustador, eu acho.

Anne Lieri disse...

Celina,voltei só pra dizer que o gatinho é mesmo uma graça!...rsss...Só vc mesmo!De arrepiar sua história!Bjs,

ONG ALERTA disse...

Quando temos histórias para contar é porque temos boas recordações, paz.
Beijo Lisette

Sônia Silvino disse...

Saudades de ti!!!
Vim te visitar e deixar uma beijoca bem gostosa!
Sônia Silvino's Blogs
Vários temas & um só coração!
"Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver." Dalai Lama