domingo, 4 de julho de 2010

Travessura de criança


Quando chegavam as festividades de fim de ano, minha tia vinha com uma tropa de mais ou menos trinta pessoas para assistirem à missa do galo. Eram vizinhas acompanhadas dos filhos, sobrinhos e os filhos de minha tia.

O lugarejo onde elas moravam ficava a cerca de uma légua da cidade, todos os anos era sempre assim, acompanhavam a minha tia até a casa da minha avó que ficava pertinho da igreja, as mais velhas ficavam para o café, enquanto os mais moços preferiam ficar passeando. O sino avisava com as suas badaladas, quando tocavam a ultima chamada, lá iam todos para a cerimônia

Quando terminava a missa começava o trabalho de contar todos logo ao sair, para não faltar ninguém. A minha tia ia pedir a bênção de sua mãe (minha avó) para só então começar a marcha da volta, por mais que insistissem para deixar o dia amanhecer, ela alegava que quando o sol saísse ela e as companheiras já estariam em casa.

Uma dessas vezes ao chegar em casa na contagem, faltava um dos pequenos, aí foram ver quem era, e justamente a filha de minha tia, com mais ou menos uns oito anos, e logo ela ficou muito nervosa, uns garantiam que ela havia ficado, outros juravam que tinham visto a mesma no meio do caminho perto das divisas.

Minha tia voltou e dois rapazes a acompanharam na viagem de volta, eles se muniram com uma lanterna e minha tia pegou logo um candeeiro grande, fizeram o mesmo trajeto passando pelo riacho e dentro de uma fazenda cheia de gado solto no pasto, já estavam na metade do caminho e nada da menina, logo ela começou a ficar ainda mais nervosa.

Quando de repente um dos rapazes viu algo estranho parecido com um bezerro deitado junto da vaca, como ainda estava escuro ele pediu a lanterna para clarear, ai a encontraram dormindo na barriga quentinha da vaca, a minha tia logo a acordou e a trouxe para casa.

Desde então redobraram os cuidados com as crianças menores e as mesmas passaram a ir na frente e ficar ainda mais perto dos adultos para não acontecer mais tamanho susto !

Paz, Celina!

7 comentários:

Chica disse...

Puxa,que susto!Legal ahistória!beijos,linda semana!chica

Giorgia Presentes - Arte e Crochê disse...

Olá amiga!

Passa no meu Blog e pega o selinho que deixei para ti!

Bjknhs

Giorgia

Paula Barros disse...

Criança é uma maravilha mesmo, logo encontrou um lugar quentinho. rsrs

Deve ter sido um desespero para a sua tia.

beijo

Cacá disse...

Celina, na verdade é um grande susto, mas sabe que é bem emocionante o fato de uma criança interagir tão inocentemente no meio dos animais e ser recebida sem hostilidades por eles? Já pensou se os humanos da atualidade agissem assim? A gente ia voltar a poder sentir menos inseguro e menos arredio. Adorei esta história! Um abração. Paz e bem.

Sônia Silvino disse...

Olha só!!!
Ainda bem que nada aconteceu! A vaquinha se comportou! rs
Bjkas, minha querida amiga!
A CONEXÃO DE NOSSAS ALMAS

A conexão de nossas almas é algo que só nós podemos explicar. O que faz com que tenhamos tanto carinho e sentir no espaço essa conexão misteriosa, que nos faz permanecer juntos?

Onde quer que estejamos, há um elo, algo que nos prende a esse ser em forma de comunhão de almas, sintonia fina nos nossos dias. E, não há como saber o porquê. São ondas que nos levam à presença deste sentimento, em forma de todo o carinho do mundo.

E, só desejamos que esse ser esteja bem, esteja conectado com esse Deus maravilhoso que nos protege tanto...

Através dessa telinha, eu o vejo, com os olhos do amor,

desejando-lhe o melhor de mim mesmo.

É o encantamento presente em nossas vidas, que nos faz aqui voltar, com tanta assiduidade, para saber, se ele está feliz, se passou bem o dia, se precisa de um abraço ou um beijo ou de um como vai você, no dia de hoje, para não se sentir tão isolado na imensidão deste

mundo.

E, cada dia, estamos aqui, irmanados com você, para lhe dizer que você é muito amado, sim. Que você é importante, que sua vida é necessária a todos nós nesta telinha da Internet e na vida real.

Estimo e quero que você receba hoje todo o meu carinho em forma de uma grandiosa conexão de espírito e um abraço bem forte no seu coração.

Fique em paz e sobretudo ame e se ame!

Texto de Eda Carneiro da Rocha

SÔNIA SILVINO'S BLOGS!

Sempre com muito carinho para você!

Cadinho RoCo disse...

Putz, mas que experiência danada. Ainda bem que a pequena encontrou na vaca aconchego.
Cadinho RoCo

Anne Lieri disse...

Celina,que travessura das grandes!Assustou todo mundo!Adoro essas histórias!Bjs,